sábado, junho 10, 2006

O amor e não a pieguice

Sou particularmente contra pieguices. Não faço questão de grandes definições do amor ou tratados psicológicos ou psicanalíticos, seja o que for.

Sou a favor de um amor que se viva. De uma “pieguice” vista no cotidiano, no abrir mão de algo por alguém, na renúncia do meu ótimo para que dois fiquem simplesmente bem.

Defendo um amor prático. Basta com palavras vazias de significação! Preenchamos nossas existências com sentidos provocados por gestos e atitudes que nos impressionem, surpreendam, signifiquem, simbolizem...numa troca mútua, numa mostra contínua da força que possibilita a plenitude (se é que alguma é possível) da existência humana.

Espero que, sinceramente, eu faça alguma diferença na vida das pessoas com quem convivo. Sei que isso é atrevimento, mas eu ouso pensar assim. Não me julgo grande ou mais especial, mas eu amo com tudo que sou – mesmo que eu não seja tanto assim.

5 comentários:

Cinthia disse...

Blog Bom!
Coisas boas!
Vou visitar com mais frequencia e compartilhar aqui meus comentarios inuteis...!
ÊÊÊÊÊÊ

bjo!

Gui disse...

Você faz a diferença. Você é atrevida, é ousada. Você é grande, é especial. Você ama.Você é tudo o que é - e é tanto assim, sim.

Sua escrita me fascina.
Bjo.

Val disse...

Hum.. vc anda bebendo da mesma agua que Kawachi????
Seus textos estão otimos...mas quero um texto besteirol.. não sei fazer comentario serio.. acho que não sou normal!!!
bjos
adoro vc

Val disse...

Ah esqueci de dizer... se isso serve de consolo vc faz diferença na minha vida sim !!!
You are a great friend!!

Carol disse...

Amiga...muito bom esse seu texto viu...
Não sei porque, mas me vi dentro dele
bsj